quinta-feira, 23 de maio de 2013

habitares-me

para a mãe da Inês


com o tempo, que por instinto
te dei e por empenho quis
que me desses, procurei sempre
uma só coisa:

dar-te a minha solidão
para que pudesses habitar-me
e em troca trago-te sempre
um pouco mais a cada dia

com as ilhas ficas sendo
em quem mais me reconstruo.

Sem comentários:

Enviar um comentário